Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


"O objectivo de 'Condenados' não é libertar ninguém"

por SIC - Blog, em 24.10.10

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SIC estreia, na quarta-feira, minissérie sobre possíveis vítimas de erro

Pode ou não a justiça falhar? Há ou não cidadãos a cumprir pena por erro judicial? Estas questões são o fio condutor de Condenados, a minissérie de investigação criminal da SIC que conta a história de quatro homens que poderão ter sido vítimas de erros judiciais.

Com estreia marcada para esta quarta-feira, dia 27, após a transmissão do Jornal da Noite, a primeira reportagem mostra o caso de Sérgio Casca, um homem condenado a dez anos de prisão pelo homicídio de dois colegas da GNR. Uma im pressão digital no espelho retrovisor da viatura de serviço, utilizada pelos três homens, foi a única prova considerada em tribunal.

Segue-se, a 3 de Novembro, o testemunho de Éder Fortes, um jovem condenado a quatro anos e meio de prisão. Tinha 18 anos quando foi acusado de ter roubado um telemóvel. O assaltante e a vítima do roubo garantiram que Éder era inocente. À hora do assalto, o jovem encontrava-se a trabalhar no Cacém, defendeu em tribunal uma testemunha.

Carlos Ferreira - preso por 11 anos e que garante que uma testemunha mentiu em tribunal - e Ismael Simões, acusado e condenado por alegadamente ter violado a cunhada, fecham o conjunto das quatro reportagens.

Debruçado sobre provas e sentenças judiciais, Condenados não é um formato que pretenda pôr em causa a justiça portuguesa, asseguram os responsáveis da SIC. "Isto não é um julgamentos aos julgamentos. Condenados não é um julgamento aos juízes, às sentenças. Prova disso é que não divulgamos o nome nem de juízes nem dos tribunais", começou por defender ao DN Alcides Vieira, director de Informação da estação de Carnaxide. "A reportagem não opina sobre nada. O objectivo destes trabalhos não é libertar ninguém. Há aqui, sim, um trabalho de investigação jornalística", sustentou ainda, para acrescentar: "Há, porém, nestes casos, técnicas de investigação judicial que não foram tidas em conta."

Sofia Pinto Coelho, jornalista licenciada em Direito e autora das reportagens, fala em "exercício de rigor": "Sou uma pacifista. O meu exercício é científico. 99,5% dos juízes julgam e bem". E mostra-se segura de que existem ainda mudanças a fazer. "Nós, enquanto País, encaramos com muita naturalidade a mentira em tribunal. O principal drama da nossa Justiça é a insegurança", considera.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:19



Mais sobre mim

foto do autor



Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2010

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31




Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2007
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D